De quem é a mala?


Pertence a uma pessoa com vários nomes. Todos muito conhecidos.


Pessoa que lia muito. Escrevia também muito. Dormia às vezes.


Reconhece a figura? não? então lá vai outra pista.


Conhece a poesia? É de Alberto Caeiro, um dos heterônimos de Fernando Pessoa. Ricardo Reis e Álvaro de Campos eram outros nomes usados pelo poeta português, que nasceu em 13 de junho de 1888 em Lisboa e morreu em 30 de novembro de 1935 na mesma cidade. Agora que já sabe a data de nascença e de morte do poeta, leia um dos poemas que ele escreveu entre os dias que são só dele.


Alberto Caeiro
Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas—a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra coisa todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as coisas sem sentimentalidade nenhuma.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as coisas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.

Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso, fui o único poeta da Natureza.
(8-11-1915)

“Poemas Inconjuntos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa.

Fotos: Cristiane Cardoso

Comentários

  1. É incrível ver que um homem que vivia de poesia, viveu sua vida sem poesia...realista demais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não era um homem de alma pequena. Cabia muito ali.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada por participar!

Postagens mais visitadas